Maria Judite de Carvalho

From Wikipedia, the free encyclopedia
Jump to navigation Jump to search

Maria Judite de Carvalho (1921 in Lisbon – 1998) was an author. She was Portuguese[1][2] She was married to Urbano Tavares Rodrigues (1923–2013).

Works[edit]

  • Tanta Gente, Mariana (contos), Lisboa: Europa América, 1988.
  • As Palavras Poupadas (contos), Lisboa: Europa América,1988. (Prémio Camilo Castelo Branco).
  • Paisagem sem Barcos (contos), Lisboa: Europa América, 1990.
  • Os Armários Vazios (romance), Lisboa: Livraria Bertrand, 1978.
  • O Seu Amor por Etel (novela), Lisboa: Movimento, 1967.
  • Flores ao Telefone (contos), Lisboa: Portugália Editora, 1968.
  • Os Idólatras (contos), Lisboa: Prelo Editora, 1969.
  • Tempo de Mercês (contos), Lisboa: Seara Nova, 1973.
  • A Janela Fingida (crónicas), Lisboa: Seara Nova, 1975.
  • O Homem no Arame (crónicas), Amadora: Editorial Bertrand, 1979.
  • Além do Quadro (contos), Lisboa: O Jornal, 1983.
  • Este Tempo (crónicas) Lisboa: Editorial Caminho, 1991.(Prémio da Crónica da Associação Portuguesa de Escritores).
  • Seta Despedida (contos), Lisboa: Europa América, 1995.(Prémio Máxima, Prémio da Associação Internacional dos Críticos Literário, pt:Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, Prémio Vergílio Ferreira das Universidades Portuguesas).
  • A Flor Que Havia na Água Parada (poemas), Lisboa: Europa América,1998 (póstumo).
  • Havemos de Rir! (teatro), Lisboa: Europa América,1998 (póstumo).

References[edit]

  1. ^ Massaud Moisés - A literatura portuguesa através dos textos 1998 8531602327 - Page 642 "MARIA JUDITE DE CARVALHO Nasceu em Lisboa, em 1921. ... foram saindo outros volumes: Paisagem sem Barcos, contos (1963), Os Armários Vazios, romance (1966), Flores ao Telefone, contos (1968), Os Idólatras, contos (1969), ..."
  2. ^ Ruth Navas Leituras hipertextuais das crónicas de Maria Judite de Carvalho 9727724566 2004 p14 "No entanto, ainda nesta fase, deparamos com os comentários de outros críticos, que integraram Os Idólatras no projecto de ... No ano anterior à publicação de Os Idólatras, em 1968, Maria Judite de Carvalho inicia uma longa carreira de ..."